Ligue ou Whatsapp (11) 98132-0523
Home | Amamentação | Amamentar é coisa de pobre, na opinião de ignorantes!

Amamentar é coisa de pobre, na opinião de ignorantes!

Na mesma semana em que um ser “pobre de conhecimento” causou revolta e indignação ao publicar um post numa rede social dizendo que “amamentar é coisa de pobre”, a presidente Dilma Rousseff (do PT) regulamentou a publicidade de produtos que interferem na amamentação.

Amamentar é coisa de pobre

Post publicado em rede social

Quanto ao “amamentar é coisa de pobre”, só posso reforçar que indubitavelmente amamentar não é “coisa de pobre” e sim, coisa de Mãe, Mãe com “M” maiúsculo! Já, não amamentar por opção é que é coisa de gente pobre de informação e de amor!

E, voltando ao que realmente merece nossa atenção: a medida implementada pela Lei nº 11.265 ressalta a importância da amamentação para a saúde da criança, tanto como forma de combate à desnutrição, como na redução da mortalidade infantil, já que seu objetivo é reduzir a publicidade de produtos como mamadeiras, chupetas, leites artificiais e papinhas industrializadas, os quais, interferem e desestimulam o aleitamento materno.

O decreto proíbe qualquer ação promocional incluindo descontos, brindes, publicidade, exposições especiais em supermercados, entre outras, além de restringir fotos, desenhos, personagens de filmes ou desenhos, representações gráficas ou textos, nas embalagens, que induzam o consumo do produto pelas crianças. Entre os termos proibidos temos: “ideal para o seu bebê”, “kits” e “baby”, por exemplo. Outra mudança é que os produtos deverão avisar nas embalagens a idade adequada para seu consumo e já, no caso de bicos, mamadeiras e chupetas, deverá haver uma advertência sobre o prejuízo que o produto pode causar ao aleitamento materno.

Amamentar é coisa de pobre

Sustagen com venda combinada com a personagem Galinha Pintadinha

Aproveitando o ensejo de incentivo e proteção do aleitamento materno, clamamos por mais políticas públicas focadas na educação alimentar, não só para os bebês mas também para as nossas crianças, já que a obesidade infantil é considerada uma epidemia e estamos apenas observando ela aumentar a cada ano.

Comentários

comentários